Dia 30 de janeiro na História

1649 – Inglaterra

Carlos I, dos Stuart, Perde a Cabeça

Carlos I perde a cabeça

A execução do rei fez da Inglaterra uma Republica, apesar de brevemente, pois em 1660 os Stuarts voltam ao trono inglês com o filho de Carlos I, Carlos II. O que contribuiu par a volta da monarquia foi a circulação de um livro de memórias espirituais supostamente escrito por Carlos I, o que contribuiu para que o conceito de monarquia continuasse vivo mesmo durante a republica.

Carlos I acreditava no direto divino dos reis, logo se recusou a aceitar a legalidade do julgamento fora feito contra ele. Foi condenado a morte, após sete dias da formação do tribunal em Westmister Hall, sendo o seu julgamento inédito por se tratar de uma julgamento de um rei por traição.

Neste dia, 30 de janeiro de 1649, Carlos I foi conduzido ate patíbulo de madeira construído as pressas no seu palácio em Whitehall. A manhã era fria e uma grande multidão aguardava para assistir ao derradeiro golpe. Carlos I fez um discurso, perdoou o carrasco e pôs sua cabeça no apoio de madeira; sua cabeça fora cortada com um golpe certeiro.

 

1933 – Alemanha

Adolf Hitler é Nomeado Chanceller na Alemanha

Presidente Hindenburg e o novo chanceller Adolf Hitler

O presidente Hindenburg nomeou o novo chanceller neste dia, sendo o chanceller nomeado Adolf Hitler. O presidente fizera um pronunciamento curto e o novo chanceller jurou cumprir seu dever pelo bem da nação. Em seu discurso, Hitler jurou que preservaria a constituição alemã.

A nomeação de Hitler era previsível, já que o partido nazista tinha 2/3 dos assentos em Reichstag. O presidente relutou pela sua nomeação, entretanto os industrialistas clamavam por sua nomeação com medo do comunismo. O que Hitler encontrou foi uma Alemanha com inflação exorbitante, um sistema democrático impraticável e uma economia em colapso – frutos ainda da derrota alemã da I Guerra Mundial. O que ele fez todos nós sabemos, tornou o sistema político ditatorial, incentivou o ufanismo, o nacionalismo, a soberania da raça ariana e o extermínio das minorias – ciganos, judeus, homossexuais, comunistas…

 

1948 – India

O Pai da Desobediência Civil Não – Violenta, Mahatma Gandhi, é Assassinado

Mahatma Gandhi
Mahatma Gandhi

 

Mahatma Gandhi foi assassinado por um fanático hindu, que desferiu três tiros a queima roupas nele, que antes de seu corpo, fragilizado, cair no chão balbucio o nome do deus Rama. Gandhi estava com 78 anos, ele estava enfraquecido devido a um período de jejum em sua recente tentativa de promover a reconciliação entre hindus e mulçumanos, alem de ele ter sido um venerado estadista e anticolonialista.

Gandhi sabia que sua vida corria perigo, já enfrentara atentados antes deste. Temia que fosse morto por um mulçumano, entretanto foi um direitista hindu o autor dos disparos que o matou. Temeu-se um banho de sangue após a sua morte, mas o primeiro – ministro Nehru apelou a calam com êxito, pois derramar um banho de sangue seria um insulto ao homem que pregava a não violência.

 

1972 – Irlanda

Ocorre em Banho de Sangue na Irlanda do Norte

Na cidade norte – irlandesa de Derry os pára-quedistas britânicos entram no bairro republicano de Bogside e abrem fogo contra manifestantes pró – diretos civis, matando ao menos 14 pessoas. O exercito britânico justificou este ataque sobre a alcunha de que estivera sob fogo constante e ataques de granada por parte do Exército Republicano Irlandês (IRA) e abriu fogo em legítima defesa, entretanto nenhum soldado ficou ferido e os ativistas locais garantiram que os manifestantes estavam desarmados e que a fuzilaria fora assassinato não provocado. O resultado disto foi que o mundo condenou esta onda de violência sem medidas e o IRA recebeu grande impulso político, instaurando-se um quadro de impasses e atrocidades que persistiu por décadas.

Dia 28 de janeiro na História

1973 – Vietnã

Imagem clássica da Guerra do Vietnã

Imagem clássica da guerra do Vietnã

Nesta data ocorreu um cessar- fogo entre Vietnã do Norte e EUA. Foram neceassarios cinco anos para que EUA e vietnã do Norte concordassem em uma cordo para que visava encerrar a Guerra do Vietnã. Dentro deste periodo os dois lados tiveram inumeras baixas. Os EUA tinham como objetivo retirarem-se da Guerra deixando o Vietnã do Sul estavel e independente, já os norte – vietnamitas queriam que os americanos largassem fora para então eles decidirem que rumo tomar em todo o Vietnã. Formaram um acordo onde o Vietnã do Norte negociaria com o Vetnã do Sul, entretanto o que de fato ocorreu foi que dada a certeza que os nortes americanos não voltariam mais para lá, os norte -vietnamitas se sentiram livres para reunificar a força todo o país.

 

1986 – EUA

Explosão do ônibus espacial Challenger

Ocorre a explosão do ônibus espacial Challenger, causando a morte de todos os seus tripulantes. A investigação que se seguiu apos o sinistro constatou que os foguetes propulsores não tinham sensores de alertas e que o problema começou no lançamento do foguete, com uma falha num dos anéis do propulsor direito. Os lançamentos de ônibus espaciais ficaram suspensos durante quase três anos.

 

1945 – Brasil

Getulio Vargas

O governo de Getúlio Vargas anúncia a convocação de eleições gerais .

1962 – Brasil

Simbolo do PC

Divide-se o Partido Comunista no Brasil. Surge então o PC do B, ligado a João Amazonas, e o PCB sob o comando de Luis Carlos Prestes.

Primeira transmissão de TV

26 de janeiro de 1926 – Grã Bretanha

TVs

Hoje aconteceu a primeira demonstração publica da televisão, o inventor deste aparelho é o engenheiro escocês John Logie Baird. Neste dia ele fez q primeira demonstração publica da transmissão ao vivo de imagens em movimento em seu laboratório, na Frith Street, em Londres, para uma platéia de cientistas e um repórter do Times. Entretanto este não fora a sua primeira televisão, mas sim um aperfeiçoamento da primeira que ele havia construído com uma chapeleira, tesouras, agulhas de tricô, faróis de bicicleta, um engradado de chá e grande quantidade de cera de lacre e cola. Nasceu ai a nossa grande difusora de pensamento alienado e formadora de opinião publica, que a principio era um meio de entretimento, mas após verem a sua vantagem para fazer o individuo não pensar, tornou-se alvo de criticas pelos meios mais intelectuais. A televisão no Brasil começou em 18 de setembro de 1950, trazida por Assis Chateaubriand que fundou o primeiro canal de televisão no país, a TV Tupi, lógico que as primeiras TVs foram importadas e só os meios mais abastecidos de dinheiro poderiam ter um aparelho destes, sendo hoje a TV tão popular (ou seria essencial?) quando uma geladeira ou fogão.

A união de Henrique VIII e Ana Bolena

25 de janeiro de 1533 – Inglaterra

Henrique VIII casa-se com Ana Bolena, sua segunda esposa.

Henrique VIII e Ana Bolena

Henrique VIII casou-se com Ana Bolena contra a vontade de Roma e do papa, que não autorizou a separação que o rei propunha ao papa. Henrique recorreu seis anos ao papa Clemente VII para que anulasse a união entre ele e Catarina de Aragão, unidos desde 1509. Henrique argumentava que esse matrimônio era contra a lei divina, mas o que realmente o atordoava era que Catarina de Aragão estava com 40 anos e jamais haveria de dar luz a um menino, eles tinham apenas uma filha chamada Maria nascida em 1516. Catarina engravidará sete vezes, mas somente Maria sobreviveu, os outros ou morreram após o parto ou ela sofreu aborto natural. O processo de separação de Henrique VIII e Catarina de Aragão ficou conhecido como “a grande questão do rei”, pois Henrique tentou o pedido de separação logo após Roma ter sido saqueada, e o papa Clemente VII não ousou ofender o sobrinho de Catarina – Carlos V – e a resposta para o pedido de Henrique foi negativo.

Durante três anos Henrique tentou usar de formas legais para a separação, mas a resposta era não, assim como ficou cada vez mais determinado a desposar Ana Bolena. Cansado, ousou outra estratégia: caso Roma não lhe cedesse à separação, a igreja da Inglaterra se separaria de Roma. Como não cederam a Henrique, este então se desligou de Roma formando a igreja anglicana na qual se declarou líder, em 1534 sob o Ato de Supremacia proclamou o rei como “único chefe supremo na Terra da Igreja da Inglaterra”. Antes da promulgação da Igreja anglicana, Henrique casará em segredo com Ana, desposando-a. Em maio de deste ano,1533, o arcebispo Cranmer anulou seu primeiro casamento e Ana foi coroada rainha, e em setembro deu a Henrique uma filha chamada Elizabeth.

Ana não conseguiu dar a luz a um menino. Em 1536, a rainha Ana Bolena começou a perder o favor de Henrique. Depois do nascimento da princesa Isabel, Ana teve duas gestações que terminaram em aborto ou morte da criança. Enquanto isso, Henrique começava a prestar atenção em outra cortesã, Joana Seymour. Neste mesmo ano, Ana foi acusada de bruxaria, incesto e traição. Estas acusações eram inteiramente fabricadas por Thomas Cromwell, secretário particular de Henrique VIII. A Corte que tratou do caso foi presidida pelo próprio tio de Ana, Thomas Howard, Duque de Norfolk. Em maio de 1536, Ana e seu irmão foram condenados à morte, entre a fogueira ou a decapitação, o rei escolheu que Ana fosse decapitada. Henrique VIII casou-se mais quatro vezes, sendo o tão sonhado filho gerado por Joana Seymour, que morreu após o parto, o nome do filho deles foi Eduardo – futuro Eduardo VI.

O Sacro Imperador Romano Henrique IV submete-se ao papa Gregório VII

25 de janeiro de 1077 – Itália

O sacro imperador romano Henrique IV submete-se ao papa Gregório VII.

Henrique IV pedindo perdão a Gregório VII

O papa Gregório VII enfureceu o sacro imperador romano Henrique IV ao mudar as regras de investidura dos bispos para não precisar da aprovação do imperador. Henrique então retalhou Gregório como papa, e este reivindicou a excomunhão do imperador, retirando o apoio ao seu direito ao trono germânico. O imperador precisava encontrar uma forma de se aproximar ao papado e a Igreja, pois seus nobres estavam começando a se rebelar. Gregório da então um ano para Henrique se redimir antes da excomunhão se tornar definitiva. Este tempo veio em boa hora,  pois o imperador precisava que o decreto papal fosse revogado antes de poder lidar com as rebeliões internas.

Henrique então parte, descalço e com camisa de penitencia, para  cruzar os Alpes e ter uma audiência com Gregório. No dia 25 de janeiro de 1077 ele chega a Canossa e pede uma audiência com o papa Gregório, que a principio não aceita. Henrique espera três dias em pé, descalços e congelando a espera da aceitação da audiência. Gregório cede a audiência então, Henrique ajoelha-se perante o papa e implora por perdão, Gregório lhe concede o perdão e Henrique passa a ser acolhido pela Igreja novamente. Entretanto isso foi uma mascarra usada por Henrique para que em 1084 ele invadisse a Itália, sitiando Roma e depondo Gregório, ou seja, a última palavra foi de Henrique.

Os acontecimentos de Canossa adquiriram importância nos anos subseqüentes, em especial a resistência de Henrique a interferência do papa que serviu de atrativo para os partidários da Reforma Protestante do século XVI. Outra coisa é que Canossa é um símbolo de resistência germânica a interferência externa da Igreja Católica Romana.

Fonte: 1001 dias que abalaram o mundo.

Pedro, O grande – Rússia

A partir de hoje trarei ao meu blog, com base no livro 1001 dias que abalaram o mundo, datas importantes para a história mundial. Claro, como estou me baseando neste livro não quer dizer que todos os dias, a partir de hoje, eu postarei; porque não parei pra fazer uma pesquisa na internet sobre o que ocorreu nos dias que se seguem. Outra coisa também é que nem tudo o que esta neste livro abalou o mundo como traz no titulo, então estas datas não haverá post, assim como datas importantes para nós não consta neste livro. Segue-se abaixo uma data que a meu ver é mais por curiosidade que trago a vocês.

24 de janeiro de 1722 – Rússia: Criação da tabela de posição social

Pedro I da Rússia, alcunhado Pedro, O Grande

Pedro, O Grande tenta fazer a Rússia entrar na era da moderna sobrepondo-se ao sistema militar e introduzindo a meritocracia. O reinado de Pedro, O Grande se transformou em uma longa e desesperada tentativa de reformar a Rússia. Porém a introdução da Tabela de Posição Social em janeiro de 1722 talvez tenha sido sua cartada mais radical para acertar contas com a velha nobreza reacionária – os boiardos – e garantir que a futura ascensão nas forças armadas e no serviço público ocorresse por mérito, e não graças a privilégios herdados.

Influenciado por um grande tour na Europa Ocidental no inicio do reinado, Pedro resolveu criar uma nova marinha e modernizar o exercito. Ele inventou uma tabela de 14 níveis para todos os oficiais – cada qual com seu próprio uniforme – e decretou que todos os que alcançassem o oitavo nível – mesmo que filhos de servos – entrariam automaticamente para a nobreza hereditária.

Essa derradeira tentativa de modernizar a Rússia teve sucesso parcial. Seu feito a longo prazo foi criar uma nova classe de burocratas hereditários que impedia qualquer iniciativa dos escalões mais baixos da hierarquia, situação que perdurou ate Nicolau II abdicar em 1917. Pedro tinha orgulho dos seus feitos e teria dito no leito de morte: “Espero que Deus perdoe os meus muitos pecados pelo bem que tentei fazer ao meu povo.”Ele também construiu uma nova capital – São Petersburgo – para servir de janela para o Ocidente; Derrotou a Suécia e a Turquia, rivais da Rússia; reformou os governos locais e central; criou um senado e um gabinete; aboliu o uso da barba na aristocracia; e promoveu roupas e costumes ocidentais. Também emancipou as mulheres de uma vida segregada e incentivou sua participação nos eventos sociais. Durante o seu reinado importantes medidas são tomadas tais como a adoção do calendário juliano, a simplificação do cirílico e a reforma do sistema administrativo.

Pequena Biografia de Pedro.

Reinado: 7 de Maio de 1682 – 8 de Fevereiro de 1725

Coroação: 25 de Junho de 1682

Nascimento: 9 de Junho de 1672 Moscovo

Morte: 8 de Fevereiro de 1725

Sucesso: Catarina I

Rainha: Eudoxia Lopukhina

Casa Real: Romanov

Pai: Alexandre da Rússia Mãe: Nataliya Naryshkina

Desde cedo que Pedro se interessou pela vida militar. Quando ainda era criança e durante a sua permanência fora da corte, ele ter-se-ia entretido com casernas militares para crianças e exercícios militares a brincar, com crianças vestidas com uniformes. Os seus grandes conflitos militares foram principalmente a Grande Guerra do Norte com Carlos XII ,da Suécia e as batalhas contra os Otomanos.

Pedro, o Grande teve duas esposas de quem teve catorze filhos dos quais apenas três sobreviveram até à idade adulta. O seu filho mais velho e herdeiro, Aleksei, era suspeito de se envolver num golpe para destronar o Imperador. Aleksei foi julgado e confessou a sua culpa durante um questionário acompanhado de tortura conduzido por um secular da corte, acabando por ser acusado e condenado à morte. A sentença apenas podia ser realizada com a autorização assinada de Pedro e Aleksei morreu na prisão enquanto o seu pai hesitava tomar esta decisão, sua morte se deu devido os ferimentos e os sofrimentos causados durante as torturas. Pedro casou-se primeiro com Eudoxia Lopukhina em 1689, da união nasceram cinco filhos, mas apenas um chegou à idade adulta. Depois de se divorciar de Eudoxia, em 1698, casou-se em segredo, em 1707, com Marta Helena Skowrońska (futura Imperatriz Catarina I da Rússia). Juntos tiveram nove filhos, mas apenas duas chegaram à idade adulta.

Fonte: Livro: 1001 dias que abalaram o mundo e Wikipédia

Minha visão de mundo

Certas coisas me indignam quando leio ou ouço um noticiário. Comecei desde ontem a anotar os fatos que ocorrem no Brasil e no mundo que julgo serem mais importante, ou que me chamam mais a atenção, ou seja, uma espécie de diário de campo sobre o mundo.  Todos dias pessoas morrem vitimais da violência, seja ela num ato irracional ou racional, embora o ser humano em si sabe que todo o ato que ele faz possui uma conseqüência, logo não há um ato irracional. Como Kosik diz: o embate caótico e irracional das ações humanas é racional, pois o homem tem consciência do que ele está fazendo. Então como justificar um ato irracional se o homem se auto proclama um animal racional?? Difícil responder a está pergunta, pois nós seres humanos somos instáveis e fáceis de sermos controlados por ideais de outros seres humanos. Somos também uma mistura de sentimentos e emoções nas nossas ações, o que nos leva a praticá-las. Como justificar um ato de pegar uma arma e atirar em nossos semelhantes, como nos EUA? Atirar e matar uma criança que estava cheia de sonhos e projetos que não irá poder concluir ou sequer mesmo tentar realizar, é algo que é considerado irracional, mas ele sabia no resultado que ele teria após está ação, então por que a fez? O que o moveu a fazer isso? Ideais? Rancor? Visão política diferente? Ou o medo do diferente? As vezes penso que nós humanos temos medo de tudo aquilo que seja diferente a nós mesmo, aos nossos modos, visão de mundo, cultura, política…temos medo daquilo que é diferente. Por que das instituições? Talvez porque só através delas que nós nos “domesticamos” e controlamos o nosso impulso aversivo ao que é diferente.

Entretanto não é somente o medo ao diferente que possuímos, possuímos também aversão aqueles que não tem poder de compra considerado bom para o nosso padrão de vida fútil. Em um grande jornal de circulação aqui no sul do país não há, leiam bem isso, NÃO HÁ sequer uma nota de rodapé sobre a tragédia que está ocorrendo em RJ. As chuvas não param e as casas construídas em lugares impróprios para moradia estão desabando, mas por que não há uma matéria sobre isso? RJ também é Brasil, assim como nós aqui no sul também somos brasileiros. Entretanto quando houve aquela tragédia em angra dos reis ( se não me engano) este mesmo jornal fez uma grande matéria de dois ou três dias consecutivos? Por quê? Talvez porque aqueles que morreram lá tivessem um alto padrão de consumo, ou seja, grande poder de compras e riquezas, enquanto o favelado é um suposto estorvo para o sistema governamental do país. Será? Quero acreditar que não, mas cada vez mais vejo que aqui as coisas são tratadas assim. Eu quero acreditar que antes do poder financeiro seja valorizada a vida humana, não o dinheiro. Todos nós temos o mesmo ciclo de vida, o que nos diferencia é nossa posição social. SE a posição social é mais valorizada que a nossa condição de humanos, então nós sempre seremos taxados de terceiro mundo, subdesenvolvidos, pois o desenvolvimento se atinge com a valorização do ser humano, não com a sua posição social. Se alcança o desenvolvimento com educação e igualdade social, não com a exploração e ganância. Se alcança o desenvolvimento com pessoas que acreditam e trabalhem para o desenvolvimento igual entre nós, onde todos unidos por uma única causa trabalhemos para a sua concretização. Fomentar a desigualdade e o ódio a grupos sociais é uma barreira que impede o desenvolvimento, nós devemos aprender a superar isso, e isso se aprende com educação e uma mídia livre de preconceito social.