Objetivo do imigrante e a isca usada para o atrair

Desembarque de imigrantes no Porto de Santos (SP), 1907

( Dando continuidade ao trabalho sobre imigração)

Praticamente todos os imigrantes vinham para o Brasil com os objetivos de: serem donos de um pedaço de terra, para trabalhar nela e tirar dela o sustento da família. Tinham a ideologia do camponês europeu livre: trabalhando em sua própria terra, obtendo o sustento da família e vendendo o excedente. Todavia, muitos dos que vieram para cá não obtiveram tal objetivo. Nem os filhos, nem os netos, e acabaram morrendo como trabalhadores assalariados dos cafezais, outros não obtiveram êxito na pequena propriedade e se tornaram  marginalizadose outros continuaram como proletários.

O imigrante vinha com ideário de se tornar um fundiário, para isso poupava o máximo que podia do que ganhava trabalhando nas  fazendas de café, para poder comprar um lote de terras. A propaganda para a atração de tais imigrantes alimentava tal objetivo de ser patrão de si, de não haver patrões, pois nela diziam que o Brasil possuia boa qualidade de terras que seriam distribuidas assim que o colono conseguisse resgatar a sua divída perante o arrendatário que havia lhe trazido para trabalhar em sua fazenda, que havia recurso para a venda, ou melhor, que havia mercado para a venda dos produtos produzidos pelos colonos.

Tal propaganda fez com que os colonos sonhassem com a obtenção de um lote de terra para o cultivo e dele tirar o sustento de sua família. Essa vontade de se tornar propietário e de trabalhar por conta própria aliou-se aos interesses fundiários e do capitalismo em expansão. Por que isso? Porque era do interesse dos grandes proprietários de terras terem mão-de-obra excedente para poderem manter a remuneração do trabalhador baixo. Outro fator que deve ser resaltado era de que o ”Império do café” criou condições para o surgimento da pequena propriedade, e quando participara desse processo o Estado e os fazendeiros tinham outros objetivos, que eram a pequena propriedade ser uma isca para atrair imigrantes e uma provável concorrente com a fazenda do café no aliciamento do imigrante, o que ocassionou os baixos salários nas fazendas, devido ao excedente  de imigrantes. Mas por que excedentes se alguns tornaram-se ”senhores de si”? Porque a pequena propriedade funcionava como um reservatório de braços com os quais o fazendeiro poderia contar quando havia colheita, e nesse aspecto muitos fazendeiro lotearam seus domínios ou limites de terras, que na verdade eram improprias para o cultivo hegemônico e que era onde o fazendeiro poderia recrutar braços quando fosse necessário.

Nas terras esgotadas o imigrante dedicava-se principalmente a produção de hortigranjeiros, procedendo-se assim a valorização dessas terras. E com o crescimento das cidades não só aumentou a procura de gêneros alímenticios, como também tornou necessário a integração econômica das terras cansadas e subutilizadas nos seus arredores, ou seja, asegurava uma valorização da terra e também o abastecimento das cidades e fazendas.

Em síntese havia três interesses no imigrante:

1°) Pequena propriedade funcionária como uma reserva de braços para o fazendeiro;

2°) Pequena propriedade como isca para atração de imigrantes e;

3°) Valorização das terras esgotadas pelo cultivo do café.

Anúncios

5 comentários

Deixe um comentário, sugestão, critíca, elogio. Ou, simplesmente, um post que gostaria de ver nesta página! Obrigado pela atenção...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s